Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia
Início do conteúdo

Projetos de Pesquisa

Ilustração de pasta amarela de arquivo com uma lupa em cima.
Projetos de Pesquisa

Resumo: O Parque Natural Municipal da Ronda, localizado no Município de São Francisco de Paula abriga um dos remanescentes da vegetação nativa dos Campos de Cima da Serra. Essa vegetação faz parte da Mata Atlântica, um bioma considerado um hotspot, sendo considerada uma prioridade para a conservação devido a sua alta diversidade de espécies e incidência de endemismos. Apesar disso, esta paisagem apresenta crescente descaracterização fisionômica e florística dado a grande pressão antrópica. Neste contexto, o presente estudo tem como objetivos avaliar a composição florística do Parque Natural Municipal da Ronda tanto nas áreas florestais como nas áreas de campo; Criar um banco de dados de referência para futuros projetos de
restauração; Identificar espécies chaves que podem ser utilizadas em programas de restauração; Avaliar a quantidade de espécies exóticas presente na área de estudo; Elaborar guias de campo com fotos das espécies representativas das formações campestres e florestais na forma de guia de bolso para fins educativos e de divulgação científica; e alimentar os herbários da região com exsicatas e informações das espécies que ocorrem nesse parque.

Coordenador: Francielle Paulina de Araújo

Equipe: Mateus Fernandes

Fomento: UERGS/Inicie

Resumo: Desde a intensificação da industrialização que as atividades humanas têm provocado uma interferência significativa sobre o sistema climático global. Essas mudanças no sistema climático acarretam efeitos adversos, tais como: perda de produtividade agrícola, derretimento das calotas polares, alagamento das zonas costeiras, estresse hídrico, imprevisibilidade no regime de chuvas, maior incidência de eventos extremos, perda da biodiversidade entre outros problemas. No município de São Francisco de Paula (RS) localizado nos Campos de Cima da Serra, a população vem percebendo algumas mudanças significativas no clima que estão provocando impactos, principalmente, na agropecuária da região. Esta pesquisa apresenta como objetivo geral: analisar a percepção de risco ambiental das comunidades de 6 distritos rurais e da sede do município de São Francisco de Paula/RS e identificar as estratégias de adaptação a mudanças climáticas. O projeto de pesquisa apresenta 4 etapas metodológicas: aproximação do objeto de pesquisa; pesquisa de campo; análise dos dados; e, Relatório final e publicização dos resultados.

Coordenador: Patrícia Binkowski

Equipe: Bruna Demenigui da Silva, Rodrigo Alves Costa

Fomento: INICIE/UERGS

Resumo: A Constituição Federal através do artigo nº225, garante ao Poder Público que defina dentro de suas esferas de competência, os espaços territoriais especialmente protegidos. A criação de Unidades de Conservação (UC) no Brasil é regida pela Lei nº9.985/2000 – Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) e pelo Decreto Lei nº4.340/2002. Em seu artigo 29, o SNUC prevê que cada UC do grupo de proteção integral, disporá de um Conselho Consultivo constituído por representações de órgãos públicos, organizações da sociedade civil, proprietários de terra, populações tradicionais, enfim, todos aqueles envolvidos direta (na área da unidade) ou indiretamente (no entorno) na criação e manutenção da UC. O Parque Natural Municipal da Ronda (PNMR) com 1.448 hectares localizado no município de São Francisco de Paula, Rio Grande do Sul, criado pelo Decreto Municipal nº1.671 e posteriormente substituído pela Lei Municipal nº2.425 de 27 de março de 2007. O Parque foi criado com os seguintes objetivos: preservação das nascentes de água da região; atividades de educação ambiental; pesquisa científica e ecoturismo. Mesmo tendo sido criado há quase duas décadas é considerado um “paper park”, pois ainda não foi efetivado pelo Poder Público. O elevado custo para indenização dos proprietários, a não criação do Conselho Consultivo e a morosidade do Poder Público, são alguns dos entraves na implementação definitiva do PNMR. Para a formação do Conselho Consultivo do PNMR deve-se levar em conta um processo de construção social e a busca pela participação efetiva dos diversos setores envolvidos no processo. Esta pesquisa tem como objetivo geral fomentar junto à sociedade civil organizada e ao Poder Público a formação, organização e instalação do Conselho Consultivo no PNMR provocando a legitimidade deste fórum. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa do tipo pesquisa-ação desdobrada nas seguintes etapas: a) mapeamento da rede de potenciais agentes participantes do Conselho Consultivo; b) aprofundamento dos indicadores de participação sociopolítica junto aos agentes; c) reuniões e oficinas de formação d) Registro do Conselho Consultivo junto aos órgãos municipais. Espera-se que os resultados da pesquisa-ação levem a criação e efetivação do Conselho no PNMR.

Coordenador: Patrícia Binkowski

Equipe: Túlio Garcia de Souza, Maria Luísa Pereira Lopes

Fomento: INICIE/UERGS e FAPERGS

Resumo: Esta pesquisa iniciou em maio de 2015 e teve como primeira etapa a coleta de dados sociodemográficos e econômicos dos treze municípios do território rural Campos de Cima da Serra, entre eles, Antônio Prado, Bom Jesus, Cambará do Sul, Campestre da Serra, Canela, Caxias do Sul, Ipê, Jaquirana, Monte Alegre dos Campos, São Francisco de Paula, São José dos Ausentes, São Marcos e Vacaria. A segunda etapa da pesquisa se deu por meio da identificação dos diferentes atores e redes sociais inseridas no Colegiado Territorial dos Campos de Cima da Serra (CODETER). No primeiro ano da pesquisa observou-se que a mobilização da sociedade civil no território rural estava muito fragilizada, onde os índices de participação sociopolítica eram baixos e que aumentar este índice seria vital para o desenvolvimento das políticas públicas voltadas para o território. Assim, esta pesquisa teve continuidade no ano de 2016 tendo como objetivo principal analisar os principais indicadores, argumentos e justificativas de participação e de não participação dos atores sociais no CODETER. 

Coordenador: Patrícia Binkowski

Equipe: Maria Luísa Pereira Lopes, Túlio Garcia de Souza 

Fomento: FAPERGS e INICIE/UERGS

Resumo: A investigação teve início com a criação do Grupo de Pesquisa em Políticas e Ambiente - ObservaCampos, na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS), Unidade Universitária em São Francisco de Paula, em 2016. Os objetivos principais são de organizar, sistematizar e disponibilizar um repositório digital de metadados, tomando como base a produção acadêmica-científica desenvolvida na UERGS Unidade Universitária em São Francisco de Paula. O fluxo de dados examinará os Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) e monografias de especialização produzidas entre os anos de 2007 a 2017 nos temas-chave: Políticas, Educação Ambiental, Conflitos Ambientais, Desenvolvimento Rural, Território e Gestão Ambiental. A organização dos dados está sendo realizada mediante uma sistematização que contém os indicadores: tema, título, autor, ano de publicação, palavras-chave e resumo. A metodologia utilizada neste trabalho é a análise documental e sistematização de dados secundários. Uma vez organizado o acervo, os dados serão disponibilizados no sítio do ObservaCampos em forma de repositório digital. Na pesquisa feita de abril a junho de 2017, os resultados preliminares indicam a existência de 140 produções entre os anos de 2007 a 2017. Estima-se que os sujeitos que buscarão o repositório terão fácil acesso às informações com economia de tempo e agilidade de busca, e ainda, a democratização e difusão do conhecimento científico, função social da universidade pública.

Coordenador: Patrícia Binkowski

Equipe: Marina Beier

Fomento: FAPERGS

Resumo: Hydrangea macrophylla (Thumb.) Ser. é uma planta exótica conhecida popularmente por hortênsia, cultivada em diversas partes do mundo como planta ornamental. No Rio Grande do Sul, a região composta pelas cidades Canela, Gramado, Nova Petrópolis e São Francisco de Paula, é conhecida por Região das Hortênsias. Muitas atividades econômicas e culturais na região são baseadas na atratividade visual da hortênsia e é considerada uma das causas que motivaram o desenvolvimento do turismo em Gramado. Apesar de sua importância existe uma preocupação de que a mesma se torne uma planta invasora em áreas naturais. No entanto, não se sabe ao certo se essa planta pode ser classificada como invasora no Rio Grande do sul. Sendo assim, o presente estudo tem por objetivo caracterizar Hydrangea macrophylla na Região das Hotênsias quanto à sua importância econômica, cultural e ecológica

Coordenador: Francielle Paulina de Araujo

Equipe: Maria Fátima Ferreira

Fomento: UERGS/Inicie

Resumo: O Parque Natural Municipal da Ronda no município de São Francisco de Paula é uma Unidade de Conservação com objetivos de preservação, Educação Ambiental, pesquisa e turismo. Mesmo após 20 anos de criação, só em 2017 teve um gestor e instalou o Conselho Consultivo. O grupo de pesquisa ObservaCampos vem investigando o PNMR e os conflitos socioambientais: a constante poluição das nascentes; extração de pinhão em época indevida; passivo ambiental de um antigo "lixão"; não regularização fundiária dos lotes; pastoreio indevido de gado; ocupação urbana. A pesquisa tem como objetivos desenvolver uma estação de pesquisa junto ao PNMR, metodologia ativa que visa aproximar a comunidade do entorno ao PNMR, a fim de analisar as demandas comunitárias e potencializar ações em rede. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, tipo pesquisa-ação com quatro etapas: 1ª Diagnóstico; 2ª Ações PNMR; 3ª Repositório de dados; 4ª Elaboração de projetos.

Coordenadora: Patrícia Binkowski

Equipe: Túlio Garcia de Souza, Fernanda Schinaider, Cássio Adílio Hoffmann Oliveira, Luis Carlos Borges dos Santos, Aline Reis Calvo Hernandez.

Fomento: INICIE/Uergs; FAPERGS e CNPq

Resumo: Os recursos naturais estão na base de todo o processo de crescimento e desenvolvimento das sociedades. No entanto, durante muito tempo o ambiente foi visto apenas como fonte de matéria-prima para a produção ou depósito de subprodutos inaproveitáveis de atividades econômicas. Acreditava-se que os recursos naturais eram inesgotáveis, sendo utilizados sem preocupação alguma quanto ao estoque destes recursos ambientais. O ambiente é mais do que simples matéria-prima, é um emaranhado complexo. Apesar de todas as preocupações em relação aos impactos socioambientais provocados por grandes empreendimentos econômicos, o Brasil continua burlando a Legislação Ambiental para incentivar o desenvolvimento. No Brasil, grande parte dos conflitos socioambientais se dá em relação às mudanças no padrão de uso e ocupação das terras, geralmente provocadas por empreendimentos econômicos incentivados por políticas governamentais (BERRETA e BINKOWSKI, 2019; BINKOWSKI, 2020). O avanço destas atividades econômicas e a regulamentação dos espaços de proteção ambiental exemplifica bem a disputa de interesses em relação ao uso da terra, provocando transformações socioambientais no território. O que está posto em questão aqui são as mudanças na relação sociedade-natureza dos territórios, provocadas em parte por atividades agropecuárias e de regulamentação ambiental, e em parte pela implementação/instalação de grandes projetos de desenvolvimento, cujas dinâmicas mais representativas dizem respeito às alterações na paisagem, à contaminação dos recursos hídricos e do solo; à reprodução social da população local; à barganhas e lobbies na flexibilização das políticas ambientais entre outros. O mapeamento dos conflitos ambientais é uma importante ferramenta para a reflexão e para balizar as ações a serem adotadas tanto pelos gestores públicos nas tomadas de decisão, quanto pelos demais sujeitos e grupos envolvidos no processo. A visibilidade destes conflitos, geralmente se dá a partir da participação ativa da sociedade civil que denuncia, dialoga, media e se mobiliza por meio de ações de resistência. Portanto, análises que levem em consideração a participação da sociedade civil nos conflitos ambientais é de suma importância.). Dessa forma, os projetos, pesquisas, produtos e ações aqui desenvolvidos estão no âmbito das Ciências Sociais, com ênfase na abordagem qualitativa e com foco nas temáticas de Desenvolvimento Rural, Conflitos Ambientais, Conflitos Agrários, Dinâmicas Territoriais, Mudanças Climáticas, Participação Sociopolítica e Ação Pública.
Coordenadora: Patrícia Binkowski
Equipe: Luis Carlos Borges dos Santos; Fernanda Schinaider.

UERGS - Universidade Estadual do Rio Grande do Sul